O aumento da atividade humana e a concentração das pessoas em centros urbanos têm gerado um acelerado aumento na produção de resíduos, tornando-o um dos maiores problemas ambientais para as administrações públicas.

Afinal, a destinação inadequada dos resíduos traz conseqüências indesejáveis à comunidade e ao meio ambiente, comprometendo tanto a saúde pública quanto os recursos naturais, através da contaminação do ar, do solo e das águas superficiais e subterrâneas.

Buscando soluções ao destino final dos resíduos sólidos do município de São Félix do Xingu é que o Secretário Municipal de Meio Ambiente, Sérgio Benedetti está na cidade paulista de Itanhaém considerada modelo no Brasil à gestão de destinação e coleta do lixo em acordo a diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), o que faz o município servir de modelo a outras cidades e estados.

De acordo com o Secretário Municipal de Meio Ambiente e Mineração, da cidade de São Félix do Xingu, Sérgio Benedetti, a cidade de Itanhaém é citada como referência pela Federação dos Municípios do Estado do Pará (FAMEP), vinculado ao Governo do Estado do Pará. ( Fotos/ Ascom prefeitura de Itanhaém – São Paulo). 

Itanhaém recebeu a visita do Secretário Executivo Municipal de Meio Ambiente e Mineração (SEMMAS), da cidade de São Félix do Xingu, no Pará, Sérgio Benedetti, que veio conhecer de perto o trabalho desenvolvido.

Atualmente, Itanhaém possui 100% da coleta de lixo atendida. Com uma população estimada em mais de 100 mil habitantes, são recolhidas cerca de 90 toneladas por dia. Na alta temporada, são mais de 400 toneladas diárias encaminhadas à Usina Brasil, empresa contratada pela Prefeitura que atua para o recebimento dos resíduos domésticos, e tem por finalidade  fazer a recuperação dos materiais recicláveis e realizar o transbordo do lixo.

De acordo com o Secretário Municipal de Meio Ambiente e Mineração, da cidade de São Félix do Xingu, Sérgio Benedetti, a cidade de Itanhaém é citada como referência pela Federação dos Municípios do Estado do Pará (FAMEP), vinculado ao Governo do Estado do Pará. ( Fotos/ Ascom prefeitura de Itanhaém – São Paulo). 

De acordo com o Secretário Municipal de Meio Ambiente e Mineração, da cidade de São Félix do Xingu, Sérgio Benedetti, a cidade de Itanhaém é citada como referência pela Federação dos Municípios do Estado do Pará (FAMEP), vinculado ao Governo do Estado, no que diz respeito a administração de políticas públicas voltadas a coleta seletiva e reciclagem.

“Estou atrás de boas experiências que impactam positivamente na cidade. Ouvi muito falar sobre os bons projetos de Itanhaém, e fiz questão de vir conhecer de perto as práticas de coleta seletiva, reciclagem, ecopontos, destinação e separação do lixo. Fiquei impressionado com o trabalho realizado, tudo é planejado e muito eficiente. Levarei uma excelente experiência para o meu município”, afirmou Benedetti.

De acordo com o Secretário Municipal de Meio Ambiente e Mineração, da cidade de São Félix do Xingu, Sérgio Benedetti, a cidade de Itanhaém é citada como referência pela Federação dos Municípios do Estado do Pará (FAMEP), vinculado ao Governo do Estado do Pará. ( ( Fotos/ Ascom prefeitura de Itanhaém – São Paulo). 

A coleta seletiva funciona no Município há quase 12 anos e é responsável por recolher e comercializar cerca de 15 toneladas de recicláveis ao mês, realizado pela Cooperativa Coopersol. A Cidade possui o Plano Municipal de Saneamento, e estuda implantar lei específica de coleta seletiva e logística reversa.

Na Cidade, existem também quatro Ecopontos. Os equipamentos recebem descarte de entulhos de construção civil, materiais recicláveis, restos de poda de árvore e móveis sem utilidade, nas regiões do Verde Mar, Cibratel II, Gaivota e Savoy, além de uma estação de transbordo na Chácara Cibratel.

“O Prefeito João Cleber tem nos dados total apoio e é graças a essa parceria que estamos aqui na cidade de Itanhaém que é referência nacional inclusive sendo premiada pela gestão e destinação final dos resíduos sólidos, aproveitei para conhecer uma fábrica de processamento que faz a separação do lixo orgânico ao qual é transformada em adubo sendo que a comercialização é realizada por meio de uma cooperativa o que agregar renda e formação de diversos empregos”, concluiu Sérgio Benedetti.

#JoãoCleberTrabalhador
#BatistaAbreuTrabalhador
#OTrabalhoVoltou
#QuemAmaCuida
#OtrabalhoNaoPara
#CompromissoComoTrabalho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *